Páginas

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Para ampliar proteção à população, PMPR forma policiais no curso de Atirador Designado

Foto: PMPR


Como forma de ampliar o policiamento especial no enfrentamento a roubos e crimes violentos, como a tentativa de um assalto a uma empresa de transporte de valores em Guarapuava, na região central, em abril, a Polícia Militar do Paraná (PMPR) concluiu a formação de 16 policiais no Curso de Capacitação de Atirador Designado Policial. São atiradores de alta performance. É a primeira vez que a corporação realiza uma ação do tipo no Estado. Os policiais formados integram o Batalhão da Polícia de Choque (BPChoque), com atuação em Curitiba e região, e passam a responder como atirador designado, também chamado de policial operador. Ou seja, a partir do conhecimento de tiro e balística, passam a ser responsáveis pela proteção de sua equipe. Têm também a capacidade de realizar um disparo de média distância (até 300 metros) de forma precisa e controlada. Geralmente esses policiais portam um fuzil e estão à frente do time. 

Governo conhece novo modelo de drone que pode auxiliar operações da PM 

Foram ministradas cerca de 95 horas de aulas no total, com foco no desenvolvimento de habilidades específicas nas áreas de doutrina e emprego do atirador; teoria e prática sobre miras abertas e optrônicas; posições de tiro; balística; armamento; e equipamento do atirador. O curso terminou na sexta-feira (06), na sede do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.

A intenção da PMPR é ministrar mais três cursos do tipo ainda neste ano, com abertura de vagas para o interior do Estado, formando no mínimo mais 50 atiradores.

Paraná é o primeiro do País a auxiliar investigações criminais a partir do novo “DNA das armas”

REALIDADE – Comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o tenente-coronel Sérgio Silva ressaltou que o emprego do conceito é uma realidade no cotidiano das polícias de todo o Brasil – formação que se tornou ainda mais necessária em razão da necessidade de proteção às cidades contra crimes a instituições financeiras e transportadoras de valores, como o ataque à Guarapuava.

“Para o Bope estar à frente desta doutrina não é apenas honroso, mas uma responsabilidade. O objetivo principal é criar mais um alicerce nos objetivos da Polícia Militar do Paraná, que são proteger a vida e aplicar a lei”, disse.

“Começamos a planejar esse curso ainda no ano passado, bem antes do que ocorreu em Guarapuava, e a ideia é intensificar as formações”, acrescentou o capitão Paulo Alexandre Rodrigues, subcomandante do Bope.

Em três anos de VIGIA, policiais prendem 953 criminosos na fronteira do Paraná

Para 2º Sargento João Ricardo de Castilho Pereira Neto, com formação em várias escolas de tiro de precisão e um dos instrutores do curso, esse é um conceito oriundo das forças especiais da segurança pública que entrou de vez na realidade policial. “Esse atirador porta um fuzil de assalto e munição comuns e com aparelho óptico adequado. Mas pelo fato de ter alta performance, permite garantir a segurança da equipe e se necessário neutralizar ameaças a outras pessoas”, afirmou.

O 1º tenente Eduardo Kendi Fujioka Gritten, da Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), foi um dos alunos do curso. Segundo ele, a formação é um grande avanço no conceito tático das equipes operacionais no combate à criminalidade. “Os bandidos dificultam as estratégias e as respostas policiais, por isso as aulas foram muito importantes. Pudemos avançar nos estudos e colocá-los em prática, realizando disparos precisos e seguros em distâncias de 50, 100 e quase 300 metros”, destacou.

Agência Estadual de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário